04/05/2020
02/06/2020
26/07/2020
R$ 18.280,05
400
27/07/2020

Anexos

Ocorreu nesta quinta-feira, 12 de março, a assinatura do contrato entre o governo do Paraná e a Fundação de Apoio da Universidade do Paraná (Funpar), banca escolhida para organizar o próximo concurso público da Polícia Civil do Paraná (Concurso PC PR) e que também será a responsável pelos concursos da Polícia Militar-PR e do Corpo de Bombeiros do Estado. O ato ocorreu no gabinete de Gestão e Informações do Palácio do Iguaçu, na cidade de Curitiba. O edital está previsto para 10 dias após a publicação do documento no Diário Oficial.

O evento já havia sido anunciado desde o início de março, conforme publicado nas redes sociais pelo governador paranaense, Carlos Massa Ratinho Junior (PSD), que confirmou o lançamento do concurso PCPR para o dia 12 de março.

Ver essa foto no Instagram

☝️

Uma publicação compartilhada por Ratinho Junior (@ratinho_junior) em

Autorizado no final de 2019, o certame vai oferecer 400 vagas, sendo 50 vagas para delegados, 50 para papiloscopistas e 300 para investigadores da Polícia Civil.

Já há previsão orçamentária para o provimento destes 3 cargos em 2020. Veja os requisitos de cada um:

  • Papiloscopista - o cargo exige formação de nível superior em qualquer área e tem remuneração inicial de R$ 5.752,41.
  • Delegado - a função requer diploma de bacharelado em Direito e tem salário inicial de R$ 13.831,10.
  • Investigador de Polícia - para estes a exigência é de nível superior em qualquer área e o vencimento inicial é de R$ 5.478,49.

Outros requisitos - para ingressar na carreira da Polícia Civil paranaense é necessário que o candidato tenha idade superior a 21 anos; e CNH na categoria B ou superior.

Candidatos poderão concorrer a mais de um cargo

Após determinação do conselho da Polícia Civil do Paraná, ficou decidido que as provas para os três cargos do concurso PCPR serão realizadas em dias distintos. A decisão ocorreu após análise de um ofício enviado pelo deputado estadual Delegado Recalcatti. Assim, será possível que os candidatos se inscrevam para mais de um cargo.

Concurso PCPR 2020
Vagas: 400
Cargos: Delegado, Papiloscopista e Investigador de Polícia
Nível: superior
Salário: entre R$ 5.478,49 e R$ 13.831,10
Banca: Funpar/UFPR
Edital em breve

Concurso PCPR 2020 será para Delegado, Investigador de Polícia e Papiloscopista. Imagem: Fábio Dias/PCPR.
Concurso PCPR 2020 será para Delegado, Investigador de Polícia e Papiloscopista. Imagem: Fábio Dias/PCPR.

Último concurso PCPR - Investigador e Papiloscopista

Organizado pela COPS/UEL, o último concurso para os cargos de Investigador e Papiloscopista da Polícia Civil do Paraná ocorreu em 2009. Na ocasião foram ofertadas 381 vagas para o primeiro cargo e 29 para o segundo, além de 90 vagas para a função de Escrivão.

O concurso PCPR 2009 teve as seguintes etapas:

1ª fase: Prova Preambular de Conhecimentos Gerais (eliminatória e classificatória)
2ª fase: Prova de Conhecimentos Específicos (eliminatória e classificatória)
3ª fase: Prova de Higidez Física (eliminatória)
4ª fase: Prova de Aptidão Física (eliminatória)
5ª fase: Prova de Investigação de Conduta (eliminatória)

Todas as etapas foram realizadas na cidade de Curitiba-PR.

Conteúdos das provas objetivas

As provas foram compostas por 50 questões, sendo 25 de conhecimentos gerais e 25 de conhecimentos específicos. Para ser classificado para a próxima etapa o candidato precisava acertar 13 questões em cada prova.

Prova de Conhecimentos Gerais
Língua Portuguesa - 10 questões
Economia e Demografia Paranaense - 7 questões
Noções de informática - 4 questões
Raciocínio Lógico - 4 questões

Prova de Conhecimentos Específicos
Noções do Estatuto da Polícia Civil - 5 questões
Noções de Direito Penal - 4 questões
Noções de Direito Constitucional - 4 questões
Noções de Direito Administrativo - 4 questões
Noções de Direito Processual Penal - 4 questões
Noções de Legislação Específica - 4 questões

Atribuições dos cargos

Investigador de Polícia: entre as atribuições do Investigador estão: I - cumprir, prontamente, com urbanidade e atenção, as ordens superiores; II - proceder a qualquer serviço de natureza policial ou de segurança, de dia ou de noite, esteja ou não designado, desde que verifique a necessidade de faze-lo em prol do sossego público, da garantia de vida ou da propriedade do cidadão, a preservação das instituições ou dos bens públicos, do respeito à lei e observância das normas regulamentares; III - realizar qualquer serviço de natureza policial ou de segurança, a qualquer hora do dia ou da noite, esteja ou não designado, quando instado a faze-lo pelo superior imediato ou autoridade policial a que se subordina, por seus agentes ou quando solicitado por qualquer cidadão; IV - comunicar à autoridade policial a que estiver subordinado, qualquer fato grave ou potencialmente lesivo ou que demande investigação, chegados ao seu conhecimento; V - prender ou fazer prender delinquentes contra os quais houver mandado de prisão ou em flagrante delito, providenciando, neste caso, o acompanhamento de testemunhas; VI - comparecer a serviço de plantão, rondas, guarda e vigilância de unidades policiais, segurança de pessoas e outros para os quais tenha sido escalado; VII - zelar pela integridade física e moral, e guarda de presos provisórios, recolhidos nos setores de carceragem das unidades policiais civis, enquanto interessarem à investigação policial; VIII - tomar providências sobre qualquer fato que lhe chegar ao conhecimento, de interesse do serviço policial, mesmo que se trate de assunto estranho às atribuições da unidade a que pertence; entre outras.

Papiloscopista: compete a este cargo as tarefas de: I - efetuar a coleta de impressões digitais nos postos e seções de identificação; II - colher as impressões das linhas papilares das extremidades digitais das mãos de todas as pessoas interessadas na aquisição de documentos; III - colher impressões datiloscópicas de vítimas em locais de acidentes e de cadáveres no Instituto Médico Legal; IV - tomar as impressões digitais palmares e plantares quando necessário para qualquer trabalho técnico policial; V - tomar as impressões digitais de pessoas presas ou detidas, qualquer que seja o motivo, por determinação de autoridade competente, mediante guia ou requisição; VI - controlar em prontuários apropriados o registro geral, as passagens criminais e o respectivo qualificativo das pessoas identificadas; VII - elaborar estatística mensal da movimentação do serviço criminal; VIII - determinar as fundamentais e os subtipos das impressões digitais, para fins de identificação pessoal, através do sistema "Juan Vucetich": ARCO, PRESILHA INTERNA, PRESILHA EXTERNA e VERTICILO; IX - detectar os pontos característicos: anastomose, encarne, ilhota, laguna, confluência, ponto, numeral, eme, forquilha, agulha, arpão, emboque, desvio, bicúspide, cortada, encerro, ponta de linha, bifurcação, tridente e empalme; entre outras.

Anexos