MP investiga fraude em concurso da Prefeitura de Guatambu-SC

por Mateus Nunes de Paula

Ministério Público de Santa Catarina acredita em direcionamento de cargos. Nesta semana foram realizados mandados de busca e apreensão.

Abertura inscrições 10/06/2019 Data da prova 21/07/2019 Total de vagas 43
Encerra inscrições 09/07/2019 Salários até R$ 11.583,00

O Ministério Público do Estado de Santa Catarina investiga uma suposta fraude ocorrida no concurso público da prefeitura de Guatambu. Segundo denúncias recebidas pela Ouvidoria do Ministério Público catarinense, haveria suposta fraude por meio de direcionamento das vagas a determinados candidatos.

O concurso público foi realizado pela EPBAZI Organização & Métodos e teve as provas objetivas aplicadas no dia 28 de julho. Nesta última segunda-feira (19/08) o Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (GAECO) do Ministério Público realizou três mandados de busca e apreensão expedidos pela 2ª Vara Criminal de Chapecó, em duas residências e na sede de uma empresa onde recolheram documentos, celulares, pen-drives, computadores e demais documentos que serão encaminhados para perícia.

O concurso abriu 43 vagas em diversos cargos de todos os níveis de escolaridade com salários entre R$ 1.190,89 e R$ 11.583,00.

O coordenador do GAECO de Chapecó, Dr. Diego Barbiero, em entrevista ao Jornal do Almoço da rede RBS TV afirmou que: "na medida em que a gente (Ministério Público) foi acompanhando o desenrolar do concurso, principalmente depois de ter saído a relação dos aprovados, muitas destas denúncias que foram encaminhadas pela população acabaram se confirmando. E diante de outros elementos probatórios que nós colhemos na investigação, postulamos então ao juízo da 2ª vara criminal a expedição dos mandados de busca e apreensão, que foi autorizado judicialmente".

E completou: "Agora, de posse destes documentos, computadores e celulares que foram aprendidos, podemos avançar na investigação para ver se, de fato, essas denúncias iniciais elas se comprovam e a gente possa chegar a responsabilização dos agentes envolvidos na possível fraude".

Com informações do MP de Santa Catarina

Compartilhe: