Como estudar para concursos da banca FCC

Se você tem o sonho de trabalhar em algum Tribunal pelo país, de trabalhar no judiciário, tem de ler este artigo, pois sem dúvidas seu caminho passa pelas mãos da banca analisada hoje, a Fundação Carlos Chagas. Confira dicas e entenda melhor a organizadora.

0
0 share
0 tweets
1 share

Se você estuda e presta concurso para a área judicial já deve ter contato com a Fundação Carlos Chagas, correto? Somente nos últimos anos foram: Tribunal Superior do Trabalho, Todos os Tribunais Regionais Federais, 5 Tribunais Regionais Eleitorais, 19 Tribunais Regionais do Trabalho, 10 Tribunais de Justiça, 6 Tribunais de Contas, 12 Ministérios Públicos Estaduais, 2 Procuradorias Gerais de Estado, 8 Defensorias Públicas Estaduais, Caixa Econômica Federal, e mais de 100 órgãos do executivo como Prefeituras, Secretarias de Estado, Ministérios, etc.

Dúvida que essa é uma das principais bancas do Brasil? Não importa se você quer ser Juiz Federal, Analista Judiciário, Procurador, Juiz Substituto, Técnico Judiciário, Defensor, etc. Prepare-se porque a FCC provavelmente organizará alguma seleção nessa área e cruzará seu caminho. Bom, portanto é hora de vermos um guia de estudos para ela. Confira:

Ahh, e se você não viu nosso guia para a banca Cespe, clique aqui e não perca tempo.

Primeiramente é interessante dizer que as provas da FCC são compostas por questões de múltipla escolha de cinco alternativas, nas quais identifica-se o item correto ou o item errado, de acordo com o que é pedido no comando da questão, por isso, ao resolver provas da FCC, é aconselhável estar atento se o enunciado pede para que seja marcada a questão correta ou a questão errada. A FCC costuma pedir mais que se aponte a alternativa errada do que as outras bancas.

Português: Para português da banca FCC, estudar a gramática de cabo a rabo talvez não seja a melhor opção. Se você visualizar provas anteriores e analisar as questões que costumam cair, verá que há alguns assuntos que são de cobrança habitual, como por exemplo: crase, verbos (principalmente o "haver"), completar lacunas com "em que", "de que", "cujo" e etc., pontuação, voz ativa e passiva, regência, conjunções, coesão e coerência etc. Não que outros assuntos não possam ser cobrados, mas a incidência das referidas matérias chama a atenção pela forma corriqueira com a qual são cobradas.

Noções de informática: Que seja dita a verdade: O conteúdo programático é praticamente o mesmo em TODOS os concursos, com variações específicas de menos de 10% de um para o outro. Claro, há exceções, como por exemplo, para concursos dos Tribunais de Contas ou cargos estritamente administrativos onde Excel pode ser cobrado com mais incidência.

Partindo deste princípio que o conteúdo é praticamente o mesmo, a banca já esgotou o assunto, repetindo questões em praticamente todos os certames. Para gabaritar, não tenha dúvida, faça e refaça as provas anteriores. Com certeza suas questões vão estar lá, com pouca ou quase nenhuma mudança.

Matemática/Raciocínio Lógico: Aqui a lógica é a mesma da anterior e resolvendo as questões anteriores da banca você verá que ela só muda a ordem, nome da pessoa ou o valor das questões, principalmente as de raciocínio lógico. Entre os assuntos mais cobrados de RLM estão sequências numéricas, com letras e palavras e Orientação no Plano e no Espaço também. Lógica temporal está entre os assuntos de destaque.

Prova dissertativa: Aqui a dica é pontual. Tenha em mente uma coisa: Todo professor, quando aplica uma prova é, na prática, um examinador. Apesar de a grande maioria aceitar que o candidato tenha uma opinião divergente da sua, não se pode perder de vista que algumas bancas são inflexíveis. Sendo assim, escute a voz da experiência (não a minha, claro, mas sim a de William Douglas, o famoso guru dos concurseiros): "o importante é satisfazer o cliente (banca do concurso), ele tem sempre razão. Não queira brigar contra a banca (economize o dinheiro do mandado de segurança), lembre-se que você tem um produto para vender e é ela que precisa ser agradada"

Nesse passo, a dica serve também para a prova de português: ao interpretar o texto procure se perguntar o que a banca quer saber com a pergunta.

Conhecimentos específicos: Se você é um concurseiro experiente, certamente sabe porque a FCC é conhecida como "Fundação Copia e Cola", certo? Nos conhecimentos específicos é característica da banca cobrar a literalidade da lei e dos códigos.

Agora, se você estiver batalhando para um cargo mais concorrido, como delegado, juiz, defensor público, promotor, entre outros, precisa "decorar" também as súmulas e resoluções, OJ?s, bem como ficar a par dos últimos julgados na área, pois com certeza elas serão cobradas. Mérito para a organizadora, pois dessa forma, sabe quem está constantemente atualizado nos julgados das cortes brasileiras.

E não esqueça da palavra mágica: PRAZOS. Sim, decore-os, eles vão tentar te confundir com eles.

Mais uma coisa: Não esqueça de dar atenção aos autores consagrados de cada área. A FCC irá cobrar a literalidade dos conceitos deste autor. E caso você apresente recurso dizendo que outro autor garante outra resposta como correta, nada feito, aquele que eles escolheram é o que vale. Portanto, a velha dica: Confira provas anteriores e veja quais são os juristas utilizados nos últimos concursos, a tendência é que se mantenham os mesmos nomes. Não seja pego de surpresa e desperdice pontos valiosos.

E por fim, a velha dica de sempre: Você só assimilará aquilo que estudou quando colocar em prática o que foi lido, portanto, resolva muitas questões.

Boa sorte e bons estudos.

Avalie esta notícia

Nota:

(4.7/5.0)

Concursos Abertos

Busca avançada de concursos
Concursos Previstos Últimas Notícias
carregando...
FAÇA UM COMENTÁRIO
Faça um comentário sobre este assunto
Enviar